fernandosoares_07-10-2017

Edições anteriores

Fotos: Gabriel Santos

O talentoso fotógrafo Roberto Higa

 

 

 

A prefeitura de Campo Grande apresenta, até o dia 13 de outubro, a exposição 40 anos de Campo Grande, do consagrado fotógrafo Roberto Higa. Premiado por diversas vezes, Higa é considerado um dos maiores talentos da fotografia sul-mato-grossense, pelo teor jornalístico e social em seu trabalho. Para chegar ao resultado, narrando a história da Capital, Higa reuniu aproximadamente 200 fotos, que foram distribuídas em seis painéis, contando fatos históricos, provocando uma reflexão sobre as questões políticas, sociais e econômicas de pessoas que ajudaram a construir Campo Grande. A mostra está aberta para visitação gratuita de segunda a sexta-feira e, depois, irá percorrer outros espaços, como a Central de Atendimento ao Cidadão, de 16 até o dia 20 de outubro, após, segue para o Terminal Rodoviário de Campo Grande,

 

O pecuarista Aluísio Lessa Coelho mostra ao filho, Aluizio, uma parte da história de que ele fez parte em 1980, quando era secretário de Comunicação do Governo de MS

 

A escritora Delasnieve Despet e Delmira Mathias

 

A escritora Lenilde Ramos e Cristina Marques

 

O pecuarista e assessor especial político, Elenilton Dutra, e Jair Martins

 

Os artistas plásticos, Carlos Vera, Adilson Schieffer e Apres Gomes

 

de 23 até o dia 5 de novembro, chegando ao Aeroporto Internacional, no dia 6 de novembro, até o dia 19. A exposição encerra o itinerário com uma mostra na Galeria de Vidro, o espaço de artes da Plataforma Cultural, de 20 a 30 de novembro.

 

Roberto Higa, aos 66 anos, relata desde a mocidade à fase adulta, inúmeras obra com registros de quem sempre esteve em cena. Acompanhou da visita do Papa ao show dos Menudos em Campo Grande, a divisão de um Mato Grosso em dois, as paisagens que só um Pantanal pode ser dono, as enchentes, a seca, o acampamento de Sem Terra. As alfinetadas políticas, os palanques, quem subia, quem descia, um homem de fonte inesgotável para a imprensa. Confira alguns flashes...

 

A executiva Tânia Prado e a secretária de Cultura da Capital, Nilde Brun

 

Orlando Baez e Ricardo Saddi

 

O casal, João Antônio e Fauzia Maria

 

Os fotógrafos, Marcos Leonardo Araújo, Alexis Prapas e Wagner Guimarães

 

A história da Capital, registrada em 40 anos por Roberto Higa

 

 

 

SOLUÇÃO
A Santa Casa de Campo Grande teve um corte de 30% nos repasses feitos pela prefeitura de Campo Grande. Com isso, o presidente da entidade, Esacheu Nascimento, também teve que ajustar sua demanda. Uma delas, será a extinção da ala psiquiátrica que contava com 16 médicos para atender 10 pacientes. Esacheu fez um novo convênio com o Hospital Nosso Lar, entidade pioneira em tratamento psiquiátrico. Os pacientes que eram mantidos pela Santa casa serão transferidos para lá.
 

MALA E CUIA
Para espanto geral, Ana Cláudia Salomão pediu sua desfiliação do PC do B, partido no qual atuou durante 35 anos e pelo qual candidatou-se várias vezes. Não disse, ainda, se vai para nova filiação, mas avisa: continua comunista.
 

DE OLHO
Falando em partido, a deputada federal Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias recebeu convite do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para assumir o DEM, em Mato Grosso do Sul. Isso deve ser a resposta das constantes brigas com o Planalto, do atual presidente do DEM, no Estado, deputado federal Luiz Henrique Mandetta.


GAZETEIRA
Autora do projeto de lei que abre caminho para a demissão dos servidores públicos estáveis, a senadora Maria do Carmo Alves (DEM) está na lista dos mandatos mais inoperantes: em quase 16 anos de Senado, ela apresentou 64 proposições apenas. E em 2013 faltou a 80% das sessões. E não foi cassada. Por ironia, seu projeto prevê que, de acordo com o desempenho no cargo, o servidor pode ser dispensado.
 

40 ANOS
Interessante e necessário o projeto “MS 40 Anos”, que abriu seus registros artístico-culturais na quinta-feira, no Centro Cultural José Octávio Guizzo. A curadoria ficou a cargo do artista plástico Jonir Figueiredo.

 

NO CONTINENTE
Presidente do Conselho de Reitores das Instituições de Ensino Superior de Mato Grosso do Sul, Fábio Edir dos Santos, da Universidade Estadual (Uems), já sublinhou no calendário as datas de 23, 24 e 25 deste mês. É o período do I Seminário da Rede Universitária da Rota Bioceânica.
 

BOLA DIVIDIDA
O ex-governador André Puccinelli sabe, muito bem, que dentro do seu PMDB tem gente que não é assim tão sua, torcendo para cair nas graças do adversário, desde que o ítalo-brasileiro não concorra ao governo. Nas hostes do PSDB do governador Reinaldo Azambuja, não por acaso, já há quem conte com peemedebistas no palanque tucano, em 2018.

 

NOBRE CIRCUITO
Raíza Anderson passeia sua inteligência e seus encantos pelas paisagens da cidade universitária de Lovaina, na Bélgica. Enquanto isso, a mama, Raquel Anderson, se desdobra em Campo Grande para cumprir os acumulados compromissos de escritora de sucesso.
 

NOBRE CIRCUITO (II)
De mansinho, fora do picadeiro político, mas dentro dos campos de visibilidade positiva, Ricardo Ayache vem cumulando-se de feitos consagradores e enriquece o seu currículo de gestor visionário. Na terça-feira, 3, mais um protagonismo histórico: lançou o projeto “Atura Cura”, idealizado pela escritora Raquel Anderson. Consiste em pôr no papel experiências de pacientes, em forma escrita, de contos ou poesias, e acondicioná-las nos frascos, caixas de remédios e recipientes apropriados.
 

GOES TO...
Autor de oito livros, o escritor britânico Kazuo Ishiguro recebeu, na quinta-feira, o Prêmio Nobel de Literatura. Sua obra de mais destaque é Os Vestígios do Dia que, em 1993, virou um filme protagonizado por Anthony Hopkins. Na dedicatória a Kazuo, feita pela Academia Sueca, a seguinte frase foi escrita: “A quem em romances de grande força emocional, descobriu o abismo sob nosso ilusório senso de conexão com o mundo”.
 

NA LEMBRANÇA
O escritor Edgar Allan Poe morreu no dia 7 de outubro de 1849, em Baltimore, EUA. Tinha 40 anos e estaria com hidrofobia, segundo o laudo emitido à época. Poeta e romancista, é autor de contos fantásticos, como O Corvo. Viveu uma vida boêmia, mas se arrependeu no final, pois suas últimas palavras foram: "Deus, salve minha pobre alma".