fernandosoares_02-12-2017

Edições anteriores

COMER E DOAR

 

 

Fotos: Gabriel Santos

O espírito natalino já toma conta da cidade e Tereza Name, como faz todos os anos, reuniu várias voluntárias e montou seu bazar do bem, com inúmeras peças de bordados com temas natalinos, que ela passa o ano inteiro produzindo para, nessa época do ano, buscar uma contribuição das pessoas e fazer a sociedade ter uma reflexão sobre o tempo e a influência que o Natal tem sobre nossas vidas. Este ano, a casa cedida por Reni dos Santos, na Rua Igará, na esquina com a Chaad Scaff, abrigou os trabalhos e o brunch servido numa farta mesa se unindo para mostrar o verdadeiro significado do Natal - o nascimento de Jesus, celebrado pelos Reis Magos.

 

A mensagem passada por Tereza é que, muitas vezes, as pessoas deixam de aproveitar momentos pequenos, mas importantes, por conta da correria do cotidiano. Das vendas do bazar, e mais o que ela complementa, Tereza adquire os brinquedos e, numa carruagem com Papai Noel, segue rumo à periferia da cidade, entregando mais de 3 mil brinquedos e alegrando as famílias. Isso ela faz todos os anos, faça sol ou faça chuva. Um ato de solidariedade que traz uma parcela de contribuição da sociedade.

 

A dentista Juliana Valler e Sônia Oliveira

 

O bazar ficou lotado de produtos feitos artesanalmente por voluntárias

 

O vereador Odilon de Oliveira Júnior e sua mãe, Maria Divina

 

Mônica Cestari e a diretora do Sesc, Regina Ferro

 

A presidente do Educandário Getúlio Vargas, Nely Rahe, e Tereza Name

 

“Na hora de entregarmos os brinquedos, nós tentamos encontrar as crianças que foram menos ajudadas. Graças a Deus, em Campo Grande há muita consciência sobre isso, porque a sociedade sempre corresponde com nosso bazar!“, conta a anfitriã. Confira alguns flashes de algumas pessoas que por lá passaram...

 

As empresárias, Gleice Fareas e Adélia Guedes

 

A voluntária, Tereza Razuk com a voluntária do Educandário Getúlio Vargas, Luzia Bello

 

O conselheiro do Tribunal de Contas, Jerson Domingos, e sua namorada, Raquel Fernandes

 

Tereza Name e o filho, Jamilson Name

 

 

 

DIA DIFÍCIL
A quinta-feira, 30, foi difícil para o senador Romero Jucá (PMDB-RR). Em um voo de Brasília para São Paulo, Romero foi hostilizado por uma passageira, que citou uma gravação feita pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, e divulgada em maio do ano passado. No áudio, o peemedebista sugere que a queda de Dilma Rousseff resultaria em um pacto para “estancar a sangria” atribuída à Operação Lava-Jato. A passageira gravou o momento.
 

FRONTEIRA, AQUI
Para quem ama comprar produtos importados em Ponta Porã, vai uma dica. Até amanhã, o Instituto Luther King está realizando uma feira de produtos importados, doados pela Receita Federal, que são tomados das pessoas que ultrapassam o valor da cota de isenção. São milhares de produtos como relógios, celulares, tabletes, acessórios, roupas de marcas conhecidas, agasalhos, brinquedos, perfumaria, cosméticos e muito mais. O bazar foi montado na sede do instituto, na Avenida Fernando Corrêa da Costa, 603, entre as ruas 14 de Julho e Calógeras.

 

PAS DE DEUX
Com elegância e domínio perfeito de espaço e movimentos, o murtinhense Israel Ayala firmou-se entre os melhores bailarinos de Mato Grosso do Sul. Privilégio para quem assiste suas apresentações, como ocorreu esta semana em sua cidade natal. Porto Murtinho festejou a arte de Ayala na performance do ballet clássico, durante o evento de encerramento do calendário das atividades sociais.
 

MAIS CONQUISTAS
No dia 1º de janeiro próximo, o empresário Adelaido Vila assumirá a presidência da Câmara de Dirigentes Lojistas de Campo Grande. O ex-presidente do Rotary Club e do Conselho de Segurança do Centro substituirá Hermas Renan Rodrigues e cumprirá um mandato de três anos. Na cabeça, Vila traz compromissos com novos avanços para a classe.
 

SEM MURISMO
O presidente da Cassems, Ricardo Ayache, não ficou no muro e comprou briga pesada. Motivo: solidarizou-se com os funcionários que foram à Assembleia Legislativa protestar contra a reforma da Previdência Estadual e criticou duramente a violência praticada pelos policiais contra os manifestantes. Em nota nas redes sociais, o presidente da Cassems, que é do PSB, defendeu o diálogo, mas considerou o emprego da força policial como uma “lamentável opressão” do Governo.
 

BASE DE AREIA
Não eram assim favas tão contadas as negociações que teriam acertado a troca de cargos entre o deputado Coronel David (PSC) e o atual titular da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Publica (Sejusp), José Carlos Barbosinha (PSB). Aquele devolveria o mandato a este e assumiria a titularidade da Sejusp. Só que não: David votou contra o governo, disse “não” ao projeto de mudança na Previdência Estadual e só o imponderável explicaria eventual chamado para virar secretário neste governo.

 

POSTURA
O deputado estadual Jorge Takimoto, com seus 76 anos, passou por um constrangimento enorme, esta semana, quando foi a uma secretaria do governo e, ao falar com o encarregado do setor, teve que ser revistado, deixando o celular num porta aparelhos. Foi a primeira vez que o deputado desembarcou na governadoria nesta gestão e já passou por esse inconcebível espezinhamento por parte de quem deveria agradecê-lo. Medo de quê? De um atentado? Ou de conversas não transparentes? O voto que deu na véspera para garantir a aprovação da reforma previdenciária está custando a Takimoto uma onda de ataques e a ameaça de ser expulso do PDT. O parlamentar reclamou de ter do governo esse tipo de agradecimento.

 

FOLIA
Os foliões campo-grandenses, por enquanto, apenas assistem às providências que vêm sendo tomadas em outros municípios, para o carnaval de 2018. A crise é medonha e o prefeito Marquinhos Trad (PSD) ainda não dá sinais de que vai abrir as torneiras, ao menos com a generosidade esperada pelos carnavalescos.
 

DÍVIDA
O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) vai fechar o ano vesperal das eleições com a consciência assentada na tranquilidade de quem, como ele mesmo diz, preferiu estar de bem com a responsabilidade, que agradar a uma grande parcela da sociedade (os servidores públicos). A aprovação da política de previdência publica acarreta profundo desgaste político. Azambuja encarou o ônus. Resta esperar o que será dito ao longo do tempo, se o impacto social previsto pelo funcionalismo vai durar a vida toda ou se as medidas, hoje antipáticas, provarão eficácia no futuro.
 

TENSÃO
A embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas, Nikki Haley, disse que a Coreia do Norte será totalmente destruída se ocorrer uma guerra. Harley participou de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, na quarta-feira, 29, depois que o governo norte-coreano lançou um míssil balístico intercontinental no mar japonês, no dia anterior. “Nós nunca buscamos guerra com a Coreia do Norte e, ainda hoje, não a buscamos. Se ocorrer uma guerra, será por causa dos atos de agressão contínuos, como o que testemunhamos ontem”, disse Haley. A reunião foi convocada pelos Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul.
 

NA LEMBRANÇA
Em 2 de dezembro de 1825 nascia, no Palácio Imperial da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, o príncipe Pedro de Alcântara (entre nomes e sobrenomes, foi registrado com 15!), que mais tarde se tornaria o segundo imperador do Brasil, como Dom Pedro II. Ele subiu ao trono aos 15 anos de idade e foi deposto no dia 15 de novembro de 1889, quando os militares proclamaram a República. Exilado na França, morreu em Paris dois anos (1891) depois de deixar o trono, vítima de pneumonia. "Eu passo, mas o Brasil continua," foi sua mais célebre frase.